Cada nível de consciência tem seus próprios desafios

feature problem solving

Dias atras, conversando com uma cliente que eu não via há tempos, ela mencionou: puxa Rafael, eu achei que depois de entrar nesse caminho de autoconhecimento, estas dificuldades que eu passei há meses atras nunca mais iriam acontecer.

A questão principal nesse vídeo é justamente essa: será que o pensamento dela estava correto? Será que quando entramos neste caminho as coisas pro lado de fora vão melhorar?

A resposta objetiva destas perguntas é: sim, e não! Rs Vamos compreender melhor.

Autoconhecimento significa deixar um nível de consciência, um nível de ser, vibracional, e entrar em níveis superiores. Eu até tenho algum material falando sobre escala Hawkins, que ilustra isso.

Mas quando estamos envolvidos em dores e sofrimentos, nestas coisas que fazem parte do mundo material, este é nosso grande chamado, nosso DESPERTA-DOR, ou sermos DESPERTADOS com DOR, em busca de algo maior. E aí, caímos no vício de autoconhecimento – e é bem difícil se livrar dele! Rs

Então quando estamos neste caminho, as coisas não deveriam melhorar?

Autoconhecer-se significa encontrar meios para se elevar a novos níveis de consciência – algo interno, intransferível, que não podem ser “demonstrados” através de um sorriso bonito, um carro, uma casa, status… nada disso vai revelar nosso nível. Mas independente de onde nos encontramos, CADA NÍVEL DE CONSCIENCIA TEM SEUS PRÓPRIOS DESAFIOS – e essa é a parte mais importante.

Vamos aprofundar isso: a vida está acontecendo pro lado de fora o tempo todo, ela não para nem puxa o freio de mão porque você está se descobrindo, ou se iluminando, ou lidando com qualquer questão oculta. Na realidade, EU SOU a vida, NÓS SOMOS a vida, e a vida é um grande mistério – mas que nunca para.

Dentro disso, vemos que existem dois tipos de situações que acontecem em nossa vida: as AUTOPROVOCADAS – originadas pelas nossas mágoas, ressentimentos, sofrimentos originados pelo nosso próprio campo emocional (portanto, nossa responsabilidade) quando as coisas “dão errado”. Este tipo de emoção seguramente vai sumir, por assumimos que tenho escolhas sobre o que fazer a este respeito.

Mas existe outro tipo de situações que não podemos controlar – e o ano de 2020 nos deu uma ideia disso através de fatos completamente incomuns: sistema financeiro, doença, vulcões pelo mundo… nada disso para, tudo continua acontecendo mesmo que estivéssemos a 1000 anos atrás: sempre tem algo acontecendo! Mas a maneira como eu vou interpretar, encarar e como vou me comportar diante disso: é isso que vai mudar!

E no mundo onde tudo sempre se movimenta e se transforma, o que vai desaparecer conforme nosso nível de consciência se eleva, é o sofrimento que nós mesmos criamos por causa do nosso vitimismo e outras questões que pertencem ao ego. Conforme deixamos estas amarras de lado, a vida segue, as pessoas circulam, de vez em quando teremos desafios, desafetos, situações de choque ou crise, tomaremos decisões melhores ou piores do que outras, existirão bons ou nem tão bons frutos como consequência disso tudo… existirão pequeno ajustes. Mas como eu vivo e encaro estes momentos: É ISSO QUE MUDA – E MUDA DE FORMA DEFINITIVA!

Essa é a parte mais importante pra compreendermos: deixarão de existir sofrimentos auto-criados, mas a vida vai continuar acontecendo. E de vez em quando, uma onda pode nos derrubar: mas a velocidade com que nos levantamos, aprendemos e nos tornamos pronta pra próxima situação é definitivo.

Vamos aproveitar pra fazer mais uma reflexão: se entendemos autoconhecimento como “vou entrar numa zona de conforto melhor do que a que vivo” – ledo engano!

Como humanidade, o que a coletividade das pessoas está buscando se resume em poucas palavras: segurança e conforto, satisfação dos prazeres e tranquilidade. Essa é a mente-ego do inconsciente coletivo! Não tem descanso (nem o tal “descanso eterno” que alguns supõe que surge com a morte) já que a vida continua!

Sabe aquela ideia que ouvimos de trabalhar até “X” anos, depois me aposento e posso descansar… é outra compreensão equivocada sobre a vida, e que reflete novamente a busca comum: segurança, conforto e descanso!

Então se somos realmente sinceros e honestos em nossa Caminhada, entenda que não existe zona de conforto! Parar por muito tempo, nos leva a refletir: em que etapa estou estacionado? E o próprio fato de parar faz com que o Universo nos dê um empurrãozinho nos colocando pra nos movimentar: Universo é movimento, a vida é circulação e troca!

E qual é o caminho do Despertar? É o caminho da ação contínua!

Procure um livro chamado “Os Grandes Iniciados”, onde você poderá conhecer a história de alguns dos grandes homens da nossa história, e perceber que eles não tinham parada! Rs

O mesmo podemos dizer a respeito de Jesus, por exemplo: onde ele estava até os 30 anos? Se preparando porque até os 33 ele tinha muito o que fazer.

E Buda? Ensinou até os 84 anos de idade, cercado por seus alunos.

Autoconhecimento, portanto, é um caminho de mudança de perspectiva, que nos tira da ótica da vítima (das pessoas, do mundo, das circunstâncias) e nos permite assumir a responsabilidade pelos eventos. Então quando as coisas ocorrem, deixamos de nos perguntar: “puxa, o que fiz de errado pra merecer isso…”, para “o que estou fazendo que não percebi que atraiu esta circunstancia em minha vida? E até onde este sofrimento está sendo criado e mantido pela minha própria mente? Estou me agarrando em conceitos errados? O que preciso mudar para me alinhar a uma nova realidade? E o que preciso aprender?”

Lembre ainda que não podemos julgar a ninguém pelas situações que está passando, assim como não devemos julgar ou criticar a nós mesmos quando elas ocorrem: as situações da vida existem pra nos polir. E por piores que sejam, nos permitem mergulhar ainda mais profundamente em nossa Alma, resgatando ainda mais Luz quando retornamos pra a vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo