Motivos pra você NÃO FAZER REGRESSÃO

Motivos pra você NÃO FAZER REGRESSÃO

Recentemente pesquisando pelo YouTube, encontrei outro profissional falando sobre esse tema, e achei muito coerente sua explicação, embora em um ponto específico eu tenha um modo de pensar totalmente oposto. Resolvi então ampliar um pouquinho dentro do meu ponto de vista, já que pessoas diferentes e que trabalham com abordagens diferentes tem pontos de vista ligeiramente distintos a respeito do mesmo assunto. E tá tudo certo em relação a isso porque o universo é assim mesmo: nós somos diferentes em nossa expressão, somos únicos, e o importante é encontrarmos alguém que sintoniza conosco!

Então vamos lá, o primeiro motivo para você não fazer uma regressão (a partir da abordagem que eu tenho): curiosidade!

Isso significa que se você está apenas curioso pra saber sobre o seu passado, se você está curioso para saber se foi um príncipe ou se foi um plebeu, se está curioso pra saber quem foram as pessoas que vivem ao seu redor… eu posso te dizer com todas as letras: por favor, alguns profissionais que podem te atender, mas eu não sou um desses casos!

E por que não? O que muda de um para outro?

A diferença é a perspectiva, os fundamentos e a abordagem.

Meu trabalho de regressão a vidas passadas é focado na libertação da consciência e no despertar.

Isso significa que a curiosidade não é o que poderíamos chamar de ingrediente perfeito pra que essa fórmula tenha condições de florescer da melhor maneira possível.

Despertar a consciência, ou curar feridas físicas, emocionais e espirituais envolve trabalhar com nossos labirintos mais escuros, trabalhar com os nossos maiores medos e pesadelos ocultos, ou seja, nós precisamos revirar nossas latas de lixo enterradas profundamente em nosso inconsciente.

Por consequência, viver um processo de regressão não é necessariamente um passeio pela praia! Muito pelo contrário, é preciso estar seguro do que se quer, ter determinação pra superar nossos conflitos, e rever traumas e situações de sofrimento que ocultamos de nossa consciência justamente porque eram muito dolorosos no momento em que foram vividos (mas que continuam ressonando de maneira despercebida em nossa consciência, influenciando comportamentos e atitudes).

Mas é claro que trazes este conteúdo dentro de um ambiente de regressão não é a mesma coisa que passar pelo trauma de novo! Nós vamos reviver e esmiuçar nossas dores emocionais, e compreender que tipo de gaiolas mentais foram criadas como consequência destas dores, mas existe toda uma estrutura energética e espiritual por trás do processo.

E precisamos reviver estas dores para quê? –  algumas pessoas podem perguntar.

Parte do processo do despertar da consciência é o descondicionamento, saber quem “sou eu” daquilo que, definitivamente, não sou. Separar o joio do trigo interno, reconhecer nosso Ser e libertar bloqueios inconscientes. E uma das maneiras mais efetivas de conseguir esse resultado é reviver o momento que determinado comportamento surgiu, sentir sua frequência e energia, e perceber a existência destes mesmos impulsos no dia a dia. E isso costuma ser intenso, exigindo da pessoa um certo nível de determinação – e não é qualquer um que está disposto a viver esse tipo de coisa!

Por isso, fazer regressão a vidas passadas pra saciar a curiosidade iria muito mais atrapalhar sua jornada e a sua evolução do que ajudar. Se este for o seu caso, o melhor é procurar um método que não exija tanto da energia e disposição.

Motivo número dois: você não vai entrar numa regressão para você justificar suas decisões do momento presente!

Isso significa que não tem a menor coerência fazer uma regressão para descobrir, por exemplo, se o seu namorado ou namorada é a sua alma gêmea e por isso ter um atestado para poder se envolver em um relacionamento duradouro, ou um casamento com essa pessoa. Não, isso não vai funcionar!

Assim como também não podemos entrar numa regressão procurando o oposto, isto é, pra decidir se devemos nos separar daquela pessoa com quem convivemos!

Nós precisamos entender que o passado está lá atrás, já passou, e que buscar nele uma justificativa para tomar uma decisão no presente é apenas uma fuga da responsabilidade pela nossa própria vida. Isso é a contramão do nosso crescimento pessoal!

Mas não se desespere! Se você está numa dessas situações (ou qualquer outra que exija muito discernimento e clareza de sua parte), existem outras maneiras de examinar os campos de energia das pessoas ou situações envolvidas, abrindo no cliente níveis superiores de percepção, e que podem ajudá-lo a tomar a melhor decisão. Ou seja: dá pra investigar a situação sim, mas não através da regressão, ok? Esse método de investigação energética, que chamamos Reconexão Interior, permite avaliar as coisas através de uma expansão de consciência e uma conexão mais profunda com nosso cardíaco, sede da Alma e da Intuição, ao invés de nos basearmos em nossos medos, desejos ou condicionamentos mentais.

O terceiro motivo para você não praticar uma regressão: não ter resultado!

Entenda que nem todas as pessoas que estão buscando a regressão tem capacidade ou estrutura energética que lhe permitem atingir resultado. Isso significa que a regressão não ocorre com todas as pessoas, e não existem meios de mensurar antecipadamente ou identificar se com esta ou aquela o processo vai funcionar.

(E a propósito, lembre-se que nem todos os processos de cura funcionam da mesma maneira e no mesmo nível com todas as pessoas – e justamente por isso existem tantos!)

Se eu fosse generalizar (embora de maneira um pouco imperfeita) poderia dizer que as pessoas que conseguem acessar suas memórias de outras vidas são as mais sensíveis, sejam elas pessoas que já tem anos de meditação ou não. Meditar vai desenvolver a percepção e a sensibilidade, mas é comum encontrar pessoas que meditam há muitos anos e tem aberturas medíocres porque estão batendo em seus bloqueios internos (os mesmos que vamos liberar durante a regressão) e não conseguem percebe-los.

Existe uma estimativa aproximada de que talvez 30% das pessoas que não conseguem regressar, independente do método que se utilize.

E talvez você esteja se perguntando: então existe o risco de pagar o atendimento e não regressar?

Ao trabalhar comigo, sim e não!

Sim, porque como eu disse a regressão depende muito mais ‘da pessoa’ do que ‘da técnica aplicada’.

Não, porque existem outros caminhos que podemos explorar e investigar juntos, desde aspectos da vida prática até contato com guias e mentores espirituais. Ou seja, nunca vai ser tempo perdido!

E por fim o quarto motivo para você não praticar uma regressão:

  • se você não está em bom estado de saúde física e mental;
  • ou se é muito jovem (abaixo dos 20 comumente ainda não temos maturidade pra digerir a experiência), ou acima dos 60 (onde a saúde já é um pouco mais frágil).

Se a pessoa toma medicação controlada, tem quadros de hipertensão ou algum problema cardíaco grave, este também não é o melhor caminho (o mesmo vale para uma gravidez). Como já mencionei, regressão envolve exploração energética e abertura de consciência, por isso nosso sistema nervoso e físico precisam ser estáveis o suficiente pra apoiar o processo e suportar as intensas liberações emocionais que o método proporciona.

Assim como a falta de maturidade pode dificultar o entendimento da vivência e abrir na pessoa portas indesejáveis, uma debilidade de saúde severa pode ser responsável por fazer com que seu quadro piore ao invés de melhorar – e isso é exatamente o que não queremos. Como dizia Hipócrates: antes de tudo não piorar!

Por isso, não é possível utilizar um método intenso com pessoas que não têm a capacidade de suportar a intensidade que o método existe, ok?

Mas se depois do que leu algo ainda bate em seu peito, aquele impulso que vem diretamente da sua alma continua sedento, eu poderia dizer que talvez a sua hora seja exatamente agora!

Comente!