fbpx
Como diferenciar uma experiência de consciência REAL de simples FANTASIA?

Como diferenciar uma experiência de consciência REAL de simples FANTASIA?

Gostou? Compartilhe:

Essa é uma dúvida bem comum quando estamos iniciando nosso caminho interior: o que é real e o que é ficção da mente? Quando tenho uma visão, ou percebo algo incomum quando estou em oração, meditação ou até numa regressão, de que forma posso saber se isso é legítimo, verdadeiro, ou apenas uma fantasia?

A resposta pra isso é muito simples: quando existe uma experiência real, ela traz implícita um sabor de consciência.

Fácil não?

Mas vamos destrinchar isso um pouco mais, porque algo só é simples quando já aprendemos a fazer (como dirigir!): sabor de consciência é um SENTIR, um SENTIMENTO que vez das profundezas de nosso Ser, junto com aquilo que vemos ou percebemos.

Vou dar alguns exemplos: você já viu fotos ou pinturas de santos ou místicos quando estão em êxtase ou comunhão com o Divino? Geralmente estas imagens mostram nestas pessoas um misto entre assombro e alegria, com um olhar ou expressão bem característico, único.

Quando estamos vendo algo que foi criado pela mente, ou seja, quando estamos fantasiando, não existe esse sabor de consciência. É como se a imagem fosse “árida”, “sem gosto”.

Outra situação é quando trazemos uma imagem do passado pra nossa mente. Se foi um evento negativo, essa imagem pode vir impregnada de emoções equivalentes, como medo ou tristeza. Se for uma imagem de algo bom que vivemos, como um por do sol ou um passeio com amigos e família, também vamos perceber muitas emoções positivas implícitas ao filme mental. Ou seja, estas imagens e memórias do passado tem emoções compatíveis, mas são sentimentos da esfera ou frequência da vida humana, não tem nada de extraordinário ou místico nisso.

Uma experiência interna real, por outro lado, possui um sentimento que foge completamente do leque de emoções que temos em nossa vida corrente.

Dentro disso posso trazer o relato do grupo de meditadores que participa de nossos encontros de quinta-feira: os meditadores mais frequentes (e treinados) corriqueiramente percebem imagens, lugares, presenças… sempre acompanhadas dessa sensação de consciência que estou descrevendo: o “algo mais” da transcendência.

Por tudo isso, entenda que é essa nova escala de sentimentos e frequências, que estão além da nossa comparação mental, que serão nosso guia em uma experiência verdadeira: sensações de abrir o cardíaco, de paz atingir uma profunda, de estar em comunhão com o todo… esses são sentimentos únicos, e somente quando os estamos vivendo, é que vamos compreender e internalizar seu significado mais profundo.

É realmente simples, não tem como se enganar: basta sentir.

Outra maneira de entender isso que estou descrevendo é: parece que você está “vendo pelo coração”.

E isso nos traz ainda outro desdobramento que pode mudar toda a nossa vida: não é apenas quando estou em silêncio e meditação que a verdade é revelada pelo meu coração. Viver guiados pelo SENTIR é uma habilidade inata de nossa Alma. Os momentos de recolhimento e meditação são o treino, a fisioterapia, que nos capacitam a caminhar pelo mundo neste novo estado de conexão.

Meditar, portanto, não é apenas para silenciar a mente: é uma oportunidade de aprender a voz do coração!

Toda habilidade pode ser aprendida. Aprendemos a ler, calcular, caminhar… a qualidade de SENTIR também pode ser aprimorada, infinitamente.

Conforme nosso trabalho de autoconhecimento e purificação da consciência cresce, essa capacidade de sentir vai naturalmente se estendendo a todas as nossas atividades, nos permitindo reconhecer campos de energia e pessoas conforme a vida vai acontecendo.

Isso nos permite viver de forma intuitiva, conectada, reconhecendo as pessoas não por seus discursos ou aparência, mas pela energia e interesses que carregam.

Despertar estes sentidos é despertar sua própria consciência. E por outro lado, quanto mais adormecidos e destreinados estamos, mais fácil é sermos enganados e manipulados pela mídia, política ou pessoas mal-intensionadas. E pra sair desse circuito de enganação, o caminho mais seguro é: SINTA com seu coração pessoas e situações, veja com seu cardíaco, ele SEMPRE VAI DIZER A VERDADE!

Como diferenciar uma experiência de consciência REAL de simples FANTASIA?
É possível sair de uma meditação pior do que você começou?

Se isso nunca ocorreu com você, atenção: ISSO DEVERIA ESTAR ACONTECENDO! Meditar é acessar partes profundas de nossa consciência, justamente Read more

Como diferenciar uma experiência de consciência REAL de simples FANTASIA?
Como posso saber se estou no caminho certo?

Como posso saber se minha jornada espiritual está no caminho correto? Existem sinais que posso identificar?

Gostou? Compartilhe:

Comente!

Rolar para cima